Acusado no Ceará, interventor invade prédio da Fecomércio no Rio

Gastão Bittencourt é acusado de irregularidades no SESC-CE

O presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), Luiz Gastão Bittencourt da Silva, invadiu o prédio da Fecomércio-RJ na tarde desta quinta-feira, 21, para assumir a presidência do Sesc/Senac do Rio de Janeiro no lugar de Orlando Diniz, afastado da função pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Gastão chegou acompanhando o oficial de Justiça que foi entregar a intimação comunicando o afastamento de Diniz, que está sob investigação da Operação Lava Jato. Como Diniz não estava, o oficial de Justiça marcou um horário para entregar a intimação e avisou a Gastão Bittencourt que ele não teria acesso ao prédio antes de Diniz ser intimado. Quando o oficial de Justiça foi embora, Gastão forçou a entrada ameaçando demitir funcionários.

A gestão de Diniz vem sendo questionada na Justiça pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), que controla o Sesc Nacional. A confederação o acusa de cometer irregularidades na administração do Sesc Rio.

Irregularidades no Ceará

O Conselho Fiscal do Sesc apontou irregularidades nas contas de Gastão Bittencourt à frente do Sesc-CE na contratação de empresa de eventos. O processo de contratação da SEB Teixeira ME mostra, segundo o Conselho Fiscal, direcionando no processo para contratar a empresa e terceirização de uma área-fim do Sesc-CE, além de dependência financeira da SEB Teixeira ao Sesc-CE.

A empresa foi contratada por R$ 1.660.000 por Gastão Bittencourt. O processo mostra que das 149 notas fiscais emitidas pela empresa contra o Sesc-CE, 147 não foram sequer registradas no sistema de gestão de material da entidade. Dessas 147 notas, em 144 foram emitidas para pagamento de serviços sem que houvesse cotação com outras empresas, o que evidencia o direcionamento.

Além disso, o Conselho Fiscal verificou que 87% das notas fiscais emitidas pela empresa foram destinadas ao Sesc-CE, o que evidencia a dependência financeira e a terceirização de uma área-fim da entidade para uma empresa claramente beneficiada por Gastão Bittencourt.

(diariodopoder.com, 21.12.17)

Deixe uma resposta