Pedir demissão pode ser bom? Veja 10 motivos

Fatores como estagnação, insatisfação com salário, problemas com a chefia e inadequação com valores da empresa são levados em conta por quem decide deixar emprego

Mesmo com o desemprego em alta e a economia demorando para recuperar o ritmo de crescimento, uma fatia considerável de profissionais deixou seus empregos por vontade própria nos oito primeiros meses deste ano, segundo dados do Ministério do Trabalho.

Os pedidos de demissão costumam variar em linha com a abertura de vagas formais. Com a crise, houve queda, mas agora, com o mercado apresentando melhora – de janeiro a agosto foram criadas 568 mil vagas – , a demissão espontânea voltou a crescer.

Mas o que leva o profissional a pedir demissão? A decisão de deixar o emprego pode ser uma boa para a carreira?

Segundo especialistas de carreira, o profissional que se sente estagnado no emprego, que não vê reconhecimento pelo seu trabalho nem perspectivas de promoção ou aumento de salário precisa começar a pensar se não é hora de trocar de emprego ou buscar qualificação.

Para Renato Grinberg, especialista em gestão e liderança, o profissional deve pedir demissão se tiver clareza de que não tem futuro na empresa e já tem um novo projeto para seguir, como outro emprego, novo empreendimento ou busca de qualificação, por exemplo.

“É preciso pensar se ele sente que gostaria de estar naquela organização em dois ou três anos. Todas as empresas têm prós e contras, por isso, é preciso ver o que pesa mais”, afirma.

A coach executiva Luciana Tegon pondera que o profissional não deve pedir demissão sem ter outra oportunidade. “A não ser que esteja passando por uma questão insuportável como assédio moral, ataque de pânico, afetando a saúde física, mental e psicológica. Sendo administrável, o melhor cenário é fazer essa transição estando empregado”, diz.

Grinberg recomenda que, após tomar a decisão de sair da empresa, o profissional avise o chefe de imediato, explique os motivos e permaneça por um tempo razoável até que seu substituto seja escolhido.
Grinberg, Luciana e Sofia Esteves, presidente do conselho do Grupo Cia de Talentos, mostram 10 fatores que mais motivam os pedidos de demissão.

1. Descontentamento com o atual salário e nova proposta de trabalho
Segundo Sofia Esteves, o dinheiro não é tudo, mas é um bom estímulo na hora de colocar na balança se segue para o novo emprego ou permanece onde está. Se a proposta de um novo trabalho inclui diversos benefícios, ou seja, se o pacote é maior do que as expectativas, além da necessidade de o profissional estar em busca de novos horizontes e desafios, esse é um bom motivo para pedir demissão.

“Se recebeu proposta atrativa, tanto cargo melhor ou salário maior. Ou um desafio maior, uma missão mais atrativa, em uma empresa maior ou mais moderna. Ou se há ainda possibilidade de atuação internacional, vale a pena mudar”, acrescenta Luciana.

2. Falta de reconhecimento pelo trabalho
“Todos nós precisamos saber quando fazemos algo bom no trabalho. Seja um simples obrigado, uma palavra de motivação. Pode vir de seu chefe ou de seus pares, mas essas palavras são essenciais para continuar motivado no trabalho e na carreira”, diz Sofia.

Segundo ela, isso é importante para o desenvolvimento da empresa afirmar claramente como uma determinada ação contribuiu para o crescimento da organização. “Se o colaborador dá o seu melhor, mas percebe que isso parece irrelevante aos olhos de seus superiores, ele pode começar a se perguntar se realmente vale a pena continuar se dedicando tanto assim e, no fim das contas, pedir demissão”, diz.

Para Grinberg, não se trata apenas de reconhecimento financeiro, “mas principalmente de sentir que seu trabalho é valorizado”.

3. Ausência de oportunidade/crescimento dentro da empresa
Segundo Renato Grinberg, todos os profissionais almejam evoluir em suas carreiras. Mas quando não há essa perspectiva, fica difícil continuar na empresa.
Sofia Esteves complementa que cada trabalho deve levar a algo melhor, seja uma promoção, uma oportunidade de assumir mais responsabilidades adicionais, aprender coisas novas, enfrentar novos desafios. “Se a pessoa se dedica constantemente e traz resultados para empresa, obviamente ela espera a chance de crescer e subir de posição. Quando isso não acontece, a frustração é grande e chega ao limite quando conclui que não haverá chance de alcançar um cargo melhor”, afirma.

Por isso, é importante ter um plano de carreira e política de promoção clara dentro da organização. Segundo ela, o profissional deve saber o que é preciso fazer para crescer profissionalmente e conquistar o novo cargo desejado. Assim, evitam-se expectativas errôneas por parte dos colaboradores e diminuiu a rotatividade na empresa.

Luciana Tegon pondera que o profissional que fala que está estagnado e não vê mais para onde ir precisa verificar se tem qualificação para assumir outro cargo na mesma empresa ou em outra. “Às vezes o gerente que está lá fala três línguas e ele não. Precisa avaliar se ele tem condição de estar no mesmo patamar de qualificação dos outros funcionários e se a empresa tem a cultura de promover os colaboradores”, diz.

Para ela, é importante buscar alternativas, como se qualificar e pesquisar os requisitos pedidos pelas empresas, que serão um termômetro para o profissional saber se está qualificado o suficiente para aquela função que ele quer exercer, seja para troca de emprego ou para uma posição maior na mesma empresa.

4. Inadequação com os valores e cultura da empresa
Para Sofia Esteves, a falta de adequação dentro da empresa gera indisposição, incompatibilidade e, consequentemente, pedido de demissão, já que o profissional não se encaixa com os valores da empresa e não consegue se adaptar ao ambiente de trabalho.

Luciana Tegon cita como exemplo profissionais que não se sentem bem trabalhando em companhias de tabaco. “Aí não tem jeito, se não comunga dos mesmos ideais e se sente deslocado, tem que sair”, afirma.
“Uma pessoa que acredita que não deveríamos comer animais terá pouca chance de sucesso em uma empresa de proteína animal”, acrescenta Grinberg.

5. Desconforto com a gestão da empresa
Luciana Tegon explica que não gostar do tipo de gestão da empresa é diferente de não gostar da forma como o gestor lidera.

“As crises econômicas fazem as gestões parecerem cruéis, pois há demissões, cortes de benefícios, mas as empresas fazem isso para sobreviver num cenário de crise e se adaptar ao momento do mercado, e as pessoas confundem isso com uma gestão ruim”, explica. Luciana sugere ao profissional que reflita se outras empresas também não estão cortando despesas.

Outro aspecto é não estar confortável com o gestor imediato. “Muitas pessoas pedem demissão do chefe, e não da empresa. Se o gestor é alguém com quem a pessoa não se identifica, que não contribui para o desenvolvimento da equipe, se não há possibilidade de mudança desse cenário, tem que pedir demissão”, diz.

Segundo a coach, os perfis de chefes que mais geram insatisfação nos colaboradores são os seguintes:

Centralizadores;
Delegam tudo e depois jogam a responsabilidade pelo erro na equipe;
Não têm paciência para explicar o trabalho;
Nunca reconhecem o trabalho dos profissionais;
Não desenvolvem, não estimulam e nem engajam as equipes.
6. Falta de comunicação com o chefe
De acordo com Sofia, uma comunicação mais aberta e respeitosa pode ser o que falta para não desistir do emprego. “O diálogo sempre é o melhor caminho. É preciso ter uma conversa franca e saudável com o líder, explicando as expectativas e necessidades e alinhando novas ações. Caso não haja, esse é um forte motivo para o desligamento”, diz.

Renato Grinberg diz que o contato diário com um gestor que a pessoa não respeita ou não sente conexão se torna inviável. “Existe uma frase que diz que as pessoas entram em uma empresa porque gostam do que a empresa representa e saem dela porque não gostam do que o chefe representa”, diz.

7. Não gosta do que faz
Luciana diz que muitos profissionais pedem demissão porque não gostam mais do que fazem e querem mudar de carreira. Ela cita o caso de uma profissional da área de psicologia clínica, que tinha grande interesse na área artística, e agora faz curso de design de interiores.

“Tem que planejar a transição de carreira. Se for mais jovem é mais fácil o movimento porque não tem tantos compromissos financeiros. Se for mais velha com família, filhos e obrigações, o movimento se torna um pouco mais cólico. Tem que ter reserva financeira e fazer a transição trabalhando no que não gosta até se qualificar e começar novamente na outra área”, recomenda.

A coach cita como exemplo uma profissional com mais de 40 anos de idade que ainda está trabalhando como coordenadora de mídia enquanto estuda biomedicina.

8. Nenhuma oportunidade de aprendizado
Segundo Sofia Esteves, quando o profissional enxerga propósito e valor no trabalho que executa, ele quer usar essa oportunidade para se desenvolver pessoalmente e profissionalmente. Empresas que entendem isso e oferecem a oportunidade de desenvolver novas habilidades e até mesmo comportamentos contribuem para manter os melhores funcionários por mais tempo. Caso não haja nenhum investimento em cursos de capacitação, workshops, palestras, certamente os colaboradores ficarão desmotivados e buscarão novas recolocações no mercado.

9. Falta de propósito no trabalho
Para Grinberg, não adianta ter um bom salário se no final do dia a pessoa não vê um propósito maior no seu trabalho.

Sofia afirma que jovens trabalham por propósitos, não por salários. Trabalham com satisfação e também exigem qualidade de vida, além de possuir consciência social aflorada. “Para essas pessoas, receber um bom salário e cumprir uma função cegamente não costuma funcionar no médio ou longo prazo. Com isso, poderão se sentir frustradas com seu trabalho e pedir demissão”.

10. Falta de qualidade de vida
Luciana Tegon diz que o profissional pesa bastante a sua qualidade de vida quando decide mudar de emprego. “O trânsito virou uma coisa a ser avaliada. Com a dificuldade de locomoção em grandes centros, a distância pode inviabilizar algumas pessoas de ficar em seus empregos”, diz.

Segundo ela, até três horas por dia no máximo de deslocamento ainda é suportável, mas além disso as pessoas deixam de ter tempo livre para ficar com a família e de ter atividades de lazer, por exemplo.

A coach diz que trabalhar em casa ou ter uma jornada flexível, como poder entrar entre 7h e 10h, podem ser boas opções. Luciana diz que as empresas passaram a se preocupar mais em incentivar hábitos saudáveis, com iniciativas como convênios com academia e restaurantes naturais ou disponibilidade de espaços para o funcionário poder esquentar e comer sua marmita.

(g1.globo, 2.10.18)