Notice: WP_Scripts::localize foi chamada incorretamente. O parâmetro $l10n deve ser um array. Para passar um dado arbitrário para os scripts, use a função wp_add_inline_script() ao invés. Leia como Depurar o WordPress para mais informações. (Esta mensagem foi adicionada na versão 5.7.0.) in /home/sindaf/public_html/wp-includes/functions.php on line 5313
Category

Uncategorized

Interventor do Sesc e Senac DF é investigado por improbidade

By Uncategorized

Cezar camilo
redacao@grupojbr.com

O primeiro vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Francisco Valdeci de Sousa Cavalcante, é investigado por irregularidades na gestão do Serviço Social do Comércio (Sesc) do Piauí. O empresário também é parte responsável pela mesma instituição no Distrito Federal, além da administração compartilhada do Serviço Nacional do Comércio (Senac-DF), junto à Federação do Comércio do Distrito Federal (Fecomércio). A intervenção foi avocada após a morte do ex-presidente Francisco Maia, em fevereiro deste ano, em decorrência de complicações da covid-19.

Dentre as acusações da Ação Civil, ajuizada em 2017 pelo Ministério Público do estado, está a de improbidade administrativa por falhas na administração do contrato firmado, primeiramente, junto à construtora Spel Engenharia Ltda. A contratação foi realizada a fim de construir o complexo Sesc Praia – um centro de convenções, com restaurante e parque aquático, na capital piauiense. A primeira empresa escolhida não terminou as obras e a responsabilidade foi passada a outra companhia, a Botelho Construtora Ltda. No processo, ressalta-se que nenhuma das duas concluíram a obra para a qual receberam pagamentos.

Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), Valdeci consentiu com diversas irregularidades no decorrer, com início em 2007. Uma delas, destacada pelos procuradores, foi a de contratar menos serviços de construção civil que o esperado, com o objetivo de finalizar as obras do empreendimento, ignorando as instalações voltadas ao atendimento do público associado, sendo que o serviço à sociedade seria a principal atividade do projeto. A auditoria realizada apontou uma subcontratação de 25% acima do limite estabelecido em edital.

O percentual contratado junto a segundo empresa foi 53,9% menos que o valor global de ajuste, sem nenhuma documentação que ateste a transferência de responsabilidade sobre a execução da obra a outra empresa do ramo. Sem concluir o objetivo da contratação, as sanções previstas nos termos do acordo deveriam ter sido aplicadas pela direção do Sesc-PI.

No total, R$ 3.204.275,60 foram repassados do Sesc para as duas empresas. Houve retenção contratual de 5% sobre quase todo o valor contratado, conforme relação de pagamentos, a medida visa garantir o cumprimento do serviço prestado no contrato. Mesmo assim, a obra se manteve inconclusa.

“Oportuno torna-se dizer que, de acordo com o procedimento instaurado pelo TCU, há indícios da existência de um débito da ordem de R$ 469.000,00, referente a antecipações de pagamentos feitos ainda a Spel e não compensadas. Nestas circunstâncias, parece pouco provável a existência de quaisquer créditos a receber em benefício da Botelho ou Spel”, diz a ação do MPPI

O promotor ressalta que os pagamentos efetuados pelo Sesc foram transferidos diretamente para as duas empresas. O que caracteriza uma contratação irregular. No caso da segunda, sem documentação. Isso, segundo o jurista, evidencia um descumprimento de cláusulas contratuais e burla ao devido procedimento licitatório. “A transferência da execução do contrato para essa empresa reveste-se de maior gravidade, considerando-se que dois irmãos do presidente do Sesc/PI eram sócios administradores da construtora”, disse o promotor José Reinaldo Leão Coelho, da 25ª Promotoria de Justiça de Teresina.
Segundo o vice-presidente da CNC, Valdeci Cavalcante, o processo de improbidade caiu – bem como o acordo entre as partes para devolução de R$ 120 mil ao SESC-PI. O último processo encerrou em 22 de fevereiro, em Brasília, no Tribunal Regional Federal da 1ª Região. Em vez de explicar as acusações, Valdeci volta-se contra o TCU e quem o denuncia. “O que está acontecendo é que eu endureci a corda contra uma quadrilha de bandidos do Distrito Federal que está querendo roubar o Sesc/Senac aqui e começou a fazer denúncia contra mim”, afirmou ao portal GP1.

“Cabe ressaltar que em todas as instâncias está reconhecido que o Sesc é pessoa jurídica de direito privado, portanto, é ignorância jurídica ajuizar uma ação de improbidade contra uma entidade que não é órgão público. Só comete ato de improbidade quem exerce cargo público”. Mas a ação segue.

Aparecido quer fim da gestão compartilhada

O Ministério Público pede a condenação de Valdeci Cavalcante nas sanções previstas na Lei 8.429/92 (Lei de Improbidade Administrativa), que prevê o ressarcimento integral do dano; perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta circunstância; pagamento de multa civil e a proibição de contratar com o Poder Público pelo prazo de cinco anos. A ação está sob responsabilidade do juiz Édison Rogério Leitão Rodrigues, da 6ª Vara Cível da Comarca de Teresina.

O novo presidente da Fecomércio-DF, José Aparecido da Costa Freire, 55 anos, conversou com o Jornal de Brasília, sobre a retomada da administração do SESC e SENAC regionais para a federação. “Não existe mais nenhum motivo para a administração continuar com eles”, ressaltou em entrevista.

O 1º vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Valdeci Cavalcante, assumiu a Presidência do Sesc e Senac do Distrito Federal cinco dias após a morte de Francisco Maia, ex-presidente da federação de comerciantes brasiliense. Na época, também ficou na presidência dos mesmos institutos de Minas Gerais.

Após ganhar a eleição realizada pela diretoria da associação a fim de substituir Francisco Maia, morto no dia 17 de fevereiro, depois de enfrentar as complicações geradas pela covid-19, Aparecido destacou que vai negociar a volta da gestão integral dos institutos para a alcunha da Fecomércio-DF. “Quem tem de administrar estas instituições é o presidente da Fecomércio no Distrito Federal”, disse no fim de seu discurso de posse.

“Inicialmente, é uma administração compartilhada com prazo de vigência de 90 dias, podendo ser prorrogada até o dobro do período. Foi feito todo um saneamento no sistema. Não há, aparentemente, mais nenhum motivo grave que mantenha essa avocação. Ela pode ser encerrada a qualquer momento. O orçamento da CNC é considerável, mas quem tem que administrar a regional do Distrito Federal é a Fecomércio. Vamos buscar o diálogo para conseguir trazer de volta os dois braços: SESC e SENA”, diz.

Saiba Mais

“A CNC teve o cuidado extremo de nomear um presidente regional do conselho até que se resolvesse a questão eleitoral da federação [de substituição da presidência]. Isso já foi resolvido”, declarou ao JBr logo após ser anunciado como presidente da federação de comerciantes brasiliense.

O empresário José Aparecido da Costa Freire sagrou-se vitorioso nas eleições à presidência da Federação do Comércio do Distrito Federal (Fecomércio-DF), no último dia 5. Ele também é presidente do Sindicato das Papelarias, Comércio Varejista de Material de Escritório, Papelaria e Livraria (Sindipel-DF).

Matéria retirada do Jornal de Brasília

Fonte Original: https://jornaldebrasilia.com.br/brasilia/interventor-do-sesc-e-senac-df-e-investigado-por-improbidade/

Auctor consectetur ligula gravida

By UncategorizedNo Comments

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Morbi vitae dui et nunc ornare vulputate non fringilla massa. Praesent sit amet erat sapien, auctor consectetur ligula. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Sed non ligula augue. Praesent imperdiet magna at risus lobortis ac accumsan lorem ornare. In aliquam, sapien ac vehicula vestibulum, arcu magna aliquet velit,

Courage is not the absence of fear, but rather the judgement that something else is more important than fear

Ambrose Redmoon

Nulla fringilla magna

By UncategorizedNo Comments

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Morbi vitae dui et nunc ornare vulputate non fringilla massa. Praesent sit amet erat sapien, auctor consectetur ligula. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Sed non ligula augue. Integer justo arcu, tempor eu venenatis non, sagittis nec lacus. Morbi vitae dui et nunc ornare vulputate non fringilla massa. Praesent sit amet erat sapien, auctor consectetur ligula.